26 de dez de 2014

“Para Mudar Tudo”... um projeto anarquista!

Apresentação:

Mudanças climáticas, escassez de água, crises econômicas que ameaçam nossos empregos já instáveis e precários, bem como nosso acesso a alimento, saúde e moradia: a ordem dominante é insustentável em todas as suas formas. Até mesmo os seus maiores representantes, como a mídia, políticos e empresários, admitem que são necessárias mudanças radicais. Mas por que deveríamos pedir ou esperar que essas autoridades tomem a iniciativa?

O que seria, realmente, mudar tudo? Como escolheremos caminhos diferentes?

O projeto “Para Mudar Tudo” tem como objetivo a propaganda dos pensamentos e valores libertários e radicais para pessoas que ainda não tiveram contato com essas ideias ou práticas mas que mesmo assim sentem que precisamos resistir à ordem política vigente. Ele conta com um texto introdutório ao pensamento anarquista e em linguagem acessível, levado ao público por diferentes formatos: 4 mil cópias de uma revista impressa com cerca de 50 páginas, uma versão em pdf para download, uma versão em vídeo do mesmo texto com cerca de 8 minutos para circulação na internet, posters e adesivos para serem difundidos nas ruas, espaços libertários, centros sociais, ou mesmo pregado nos quartos de jovens rebeldes. Tudo isso reunido em um site para download gratuito e livre difusão.

Todo o projeto – vídeo, texto, site – foi produzido e adaptado para cerca de 14 idiomas por coletivos locais de cada país para ser lançado ao mesmo tempo nos 5 continentes e propagar o caráter sem fronteiras e cooperativo do anarquismo. Cada versão foi também devidamente adaptada ou reescrita pelos coletivos locais para ser usada como plataforma de diálogo com indivíduos e iniciativas de cada região. Então, com exemplos, contextos, imagens e linguagens, tentamos falar da nossa realidade e propor formas de resistir às opressões existentes nela.

Nosso site tem como proposta servir de introdução a pensamentos e ações libertárias e te colocar em contato com grupos e pessoas agindo – ou que aspiram agir – para resistir e transformar a realidade em que vivemos.

Aproveite o conteúdo e fique à vontade para entrar em contato!
Conheça o projeto e visite nossa página em português:

23 de dez de 2014

AnarcoPrimitivismo



Uma mudança é definitivamente essencial para o que a filosofia da anarquia significa. Em países como Inglaterra, França e Turquia assim como nos Estados Unidos, existe um crescente interesse em o que é chamado anarcoprimitivismo. Publicações americanas como, por exemplo, Anarchy, Fifth State e Feral refletem esta mudança. Assim como Green Anarchist e Do or Die!, na Inglaterra.

Aqui está um olhar, de uma perspectiva Americana, sobre o movimento.


1. Existe uma profunda crise em todos os níveis; individual, social, ambiental. O câncer do capitalismo tecnológico esta se expandindo com um impacto devastador.


2. Liberalismo, esquerdismo, pacifismo são faces de uma falida pseudo-oposição à ordem dominante. A única oposição radical é a anarquia.


3. A anarquia é cada vez mais militante. Sabemos que aproximações por métodos manipuladores e submissão são falsos. Se nós e o planeta desejamos sobreviver e nos tornar livres, devemos quebrar as regras e revidar.


4. A anarquia é cada vez mais primitivista. Sabemos que a tecnologia não é "neutra", e incorpora o sistema sugador de vidas que esta nos cercando. Civilização, que é baseada na divisão de trabalho e domesticação, também deve ser abolida. Sua lógica desmembradora tem nos levado para a atual condição de vazio, destruição e patologia.


5. Nosso objetivo é uma comunidade não hierárquica e face a face. Todo obstáculo para tal deve ser removido. Um grande desmantelamento é necessário para que a natureza e cada indivíduo seja honrado. A descentralização completa é o objetivo.


6. Tecnologia e capital a uma monocultura massificada que escraviza toda vida. Produção em massa, fábrica, especialização, pensamento separatista é parte do problema, e não da solução.


7. Livre associação, autonomia, transparência, espontaneidade, comunhão com a natureza, diversão, criatividade são requisitos para uma existência saudável e livre. Produtividade, hierarquia, coerção, trabalho, consciência de tempo não.


8. Se nossa missão e nossa visão parece loucura, quão mais louco é não fazer nada efetivo para impedir a marcha mortal da compra e venda global? No futuro uma criança pode perguntar: "Como você deixou tudo isso chegar a esse ponto? O que você fez para parar?"


9. Com a infelicidade difundida está exposto muito das mentiras e condicionamentos que defende este sistema de não futuro, vemos que um diálogo aberto entre todos é essencial.


10. Voto, programas de reciclagem, reformismo, e protestos não têm conseguido realmente nada. Tem que haver um rompimento qualitativo com a Megamáquina.

De que lado você está?

18 de dez de 2014

"Um guia de estratégia para o guerreiro da Terra"

("Emprestado" lá do blog Gente Chimarrona...)

O manual EarthForce: Um guia de estratégia para o guerreiro da Terra orienta o ecologista individual quanto a sua posição e tarefas na guerra para salvar a Terra -- como se preparar, planejá-las e executá-las:
"A guerra para salvar os ecossistemas e a biodiversidade da Terra é a luta mais importante da história. Também é uma guerra travada pelos seres humanos para proteger a Terra da humanidade, ou seja, de nós mesmos. Essa luta, singular e profunda, requer um guia de estratégia igualmente singular e profundo. Earthforce: Um guia de estratégia para o guerreiro da Terra atende a esta necessidade."

16 de dez de 2014

Novo Confronto entre Índios e Policiais em Brasília

Na tarde desta terça-feira (16 de dezembro), em Brasília, houve novo confronto entre índios e policiais. Um policial e um funcionário do Ministério Público chegaram a ser flechados, durante mais uma tentativa de ocupação da Câmara dos Deputados por parte dos índios, que protestavam contra a Proposta de Emenda Constitucional 215, a qual transfere a prerrogativa de homologar Terras Indígenas (TIs) e Unidades de Conservação (UCs) do Executivo para o Legislativo.

























10 de dez de 2014

Ativistas do Pussy Riot Recebem o Prêmio Hannah Arendt

Por seu ativismo contra a repressão política na Rússia e na Ucrânia, as integrantes do coletivo performático/musical (oi! / street punk / riot grrrl) russo Pussy Riot receberam o prêmio “Hannah Arendt”, na Alemanha, em 05 de dezembro 2014.


Em 2012, as mulheres do Pussy Riot protestaram contra a reeleição de Vladimir Putin com uma "prece punk", cantando e dançando diante do altar de uma catedral de Moscou.
As ativistas do Pussy Riot foram condenadas a dois anos de prisão, o que deu início ao movimento internacional "Free Pussy Riot". Mesmo tendo recebido um indulto, algumas delas tiveram de sair da Rússia devido às perseguições que vinham sofrendo.


4 de dez de 2014

Camisetas do Sea Shepherd

Sem "merchã" (só pra constar... de novo!), umas sugestões de camisetas do Sea Shepherd que achei bacanas - comprei uma pra mim e outra pra minha namorada -, na GreenWorks: